Críticas

Crítica | Sing: Quem Canta Seus Males Espanta

O estúdio Illumination Entertainment surgiu no cinema de forma muito positiva, com seu longa animado de estréia, Meu Malvado Favorito, que foi um sucesso, rendeu uma continuação e um spin off com os famosos Minions que se tornaram um sucesso tanto nos cinemas como em produtos licenciados. Fora isso, o estúdio fez algumas outras animações, e esse ano lançou duas. Pets: A vida secreta dos animais e o mais recente, Sing: Quem Canta Seus Males Espanta. E, ambos sofrem do mesmo problema: aquela falta de algo a mais. Mas aqui vamos focar em Sing.

A ideia do filme é até que inteligente, já que traz uma história sobre concurso musical, algo que está em alta no momento, com programas como The Voice, X-Factor, entre outros. E se aproveitando do sucesso que esses reality show estão fazendo no momento, surge Sing, uma competição de música em um mundo habitado por animais. Um coala, dono de um teatro falido, decide criar uma competição musical para conseguir patrocinadores e voltar a chamar atenção do público em seu teatro. Nisso, temos os protagonistas, cada um com seus dramas pessoais, incluindo o próprio coala, Buster Moon. Pra variar, é claro, em certo momento do filme algo da errado, até que no final das contas eles se acertam. O filme tem um bom roteiro e o desenvolvimento funciona bem até o fim do segundo ato, quando as coisas começam a se tornar meio clichê e um pouco desinteressante. Mas, ainda sim, a apresentação dos personagens funciona muito bem. Outra coisa muito bem trabalhada é o problema que cada um tem. O filme mostra, com exceção de um personagem, o problema de cada um dos animais ali e o que os motiva a querer cantar. Temos a porquinha Rosita, que leva a vida de dona de casa, cuida dos filhos e não tem a atenção do marido e quer se “livrar”. Tudo fica de forma subentendida, mas ela é a tipica dona de casa que tem muito mais a oferecer do que apenas cuidar dos filhos e cuidar da casa. Johnny, um gorila adolescente que faz parte da gangue do pai, mas que não quer ser um bandido e que, além de tudo, quer o reconhecimento de seu pai em seguir seu sonho. Ash, uma porca-espinho rockeira mas acaba descobrindo um lado mais “delicado” e Meena, uma elefante tímida que é uma ótima cantora e tem apoio da família para seguir o sonho. Temos também o ratinho convencido e malandrão, Eddie e Gunter, o personagem menos explorado e que não se fala em momento algum sobre sua vida.

A animação musical é bem interessante, como já disse, ela acerta no desenvolvimento dos personagens, mas em muitos momentos esquece que seu público alvo são as crianças, e nesse quesito, eles falham. O visual do filme é muito bonito e bem feito, há algumas cenas que envolve água e elas são muito bonitas. Mas, para divertir as crianças, o filme se prende muito ao trejeitos dos personagens (mais especificamente de 3) e em alguns momentos acaba sendo forçado demais. Outra questão é que no meio do filme, durante o segundo ato, o filme pode acabar se tornando um pouco desinteressante, e se você tiver com cabeça para ver um filme apenas para rir, pode acabar se irritando com o filme. Mas, se levar pelo lado de prestar atenção na história, pode gostar. Em relações as músicas, o filme faz jus ao gênero e em diversos momentos vemos os personagens cantando, e são nesses momentos que podem empolgar o telespectador. Uma combinação de músicas divertidas e populares como Bad Romance (Lady Gaga), Firework (Katy Perry) e Shake it Off (Taylor Swift) com a dança dos personagens faz o público se divertir e até, de certa forma, querer cantar e se mexer na cadeira do cinema. Entretanto, a maioria das músicas presentes no filme não são tão famosas assim, e em muitas partes temos músicas clássicas e que poderiam ser estranhas de se ouvir em uma animação, senão fosse a sequência animada que envolve e faz com que o público se divirta. Sendo assim, o filme se prende muito a esses momentos musicais, e quando não tem, o filme acaba se perdendo um pouco. Mas ainda sim, contém uma ótima trilha sonora.

Direção e Roteiro:  Garth Jennings

Elenco de Dublagem: Marcelo Garcia, Wanessa Camargo, Sandy, Fiuk, Marcelo Serrado, Mariana Ximenes.

Duração: 110 minutos

  • The Christmas Joke

    First dois

  • Nickole

    queria assistir

    • Coringa Insano

      É bem legalzinho 😀

  • Señor Pedigree

    Gente é tão bom ver o site

    • Coringa Insano

      Né *-*

  • Ótima crítica, Lipe. É bom saber que finalmente foi lançado um filme da Illumination Entertainment que saiu da média. Achei o trailer do filme bem legal, e parece que não é tão divertido assim, como você mesmo disse. Li uma entrevista com a Wanessa que ela comenta do processo de dublagem do filme. Eu, que não gostei de algumas, fiquei é interessado pela música cantada por ela kkkkkkkkkkk.
    Enfim… Pena que você viu a animação ao invés de certos blockbusters. Espero que isso seja feito depois u.u

    • Coringa Insano

      A música que ela canta até que é legalzinha kkk. Sobre ver o filme, acho que eu fui um dos únicos que viu essa animação tendo rogue one na parada